Now Playing Tracks

Largo de Camões on Flickr.

PONTE DE LIMA (Portugal): Largo de Camões.

vmribeiro.net

No atual espaço do Largo de Camões, a cerca muralhada separava o extenso areal ribeirinho de um interior onde coabitavam espaços verdes, casas e quintais, que estavam a Norte balizadas pela Rua da Ponte na qual entroncava a Rua do Rosário e a sul pela Rua da Ribeira, hoje chamada do Postigo que desembocava no Passeio 25 de Abril, bem ao lado da Torre de S. Paulo ou da Expectação.

Na segunda metade do séc. XIX, com a demolição da muralha e da Torre dos Grilos que se encontrava à boca da ponte, o espaço do futuro Largo de Camões ganhou uma outra dimensão. Os quintais que tinham como baliza a parede da muralha passavam a ficar devassados e as casas que nela entestavam foram obrigadas a encontrar um novo apoio ou a reorganizar as suas estruturas e fachadas. O chão foi aplanado e ensaibrado de modo a tornar-se no primeiro pavimento de um espaço público.

Pouco depois da cheia de 1909 o Largo foi objeto de um novo alteamento, que se traduziu em novo piso de saibro sobreposto a uma espessa camada de entulhamento.

A atual fisionomia do Largo de Camões começou a ser delineada no final dos anos 20 do séc. XX altura em que se iniciaram extensas obras, alteando-o parcialmente e nivelando-o de forma a ter melhor ligação ao Largo da Feira (surgido na altura) e Passeio 25 de Abril, atulhando-se dois arcos da ponte medieval, implantando-se aí o chafariz renascentista e “desenhando-se” novo pavimento.

O curioso poço do séc. XV de secção retangular, com cerca de 3 metros de profundidade, totalmente forrado com boa silharia e que rematava em abobada, integrava-se numa imponente construção que aí existia denominada Casa do Patim.

info: www.cm-pontedelima.pt/ponto_interesse.php?id=1

Capela de N. Senhora das Pereiras on Flickr.

PONTE DE LIMA (Portugal): Capela de N. Senhora das Pereiras.

Situada no bairro das Pereiras que correspondia no século XVI a uma parte significativa da vila. Foi erguida em 1525 junto à torre das Pereiras, em 1757 foi reedificada e reformada em 1818, estando actualmente fechada ao culto e completamente esventrada do seu riquíssimo revestimento de talha.

Ponte Medieval de Ponte de Lima on Flickr.

PONTE DE LIMA (Portugal): Ponte Medieval.

vmribeiro.net

Monumento Nacional de primeira grandeza é a medieva ponte que atravessa o leito do Rio Lima, ao largo da vila minhota de Ponte de Lima. Esta ponte e este rio - que estão na origem do nome da povoação que o margina - sempre se revelaram importantes vias de comunicação do Alto Minho.A ponte, que estabelece a ligação entre a parte central do burgo e o Bairro de Além-da-Ponte, seria reconstruída cerca de 1362. A sua estrutura é composta por 24 arcos, com o troço inicial construído sobre um velho braço do rio e que atualmente se encontra assoreado - vestígios materiais de uma anterior ponte romana que ligava o eixo viário entre Braga e a cidade espanhola de Astorga. Este trecho inicial da ponte romana, que se localiza na margem direita do leito do rio, foi edificado no tempo do imperador Augusto.Os romanos e bem aparelhados arcos de volta perfeita contrastam vivamente com os restantes 16 arcos quebrados, que sustentam grande parte do estreito tabuleiro de circulação. Estes arcos góticos trecentistas, intercalados por olhais, estão assentes em excêntricos talha-mares graníticos que se assemelham a diminutas e pontiagudas proas de um barco.

info: www.infopedia.pt/$ponte-medieval-de-ponte-de-lima

Fortim da Areosa on Flickr.

VIANA DO CASTELO (Portugal): Fortim da Areosa.

Com o fim da Guerra da Restauração (1640-1668), foi um dos quatro fortins edificados no litoral entre Caminha e Viana do Castelo com o objetivo de reforçar a defesa da costa atlântica do Alto Minho, vulnerável a um possível ataque da Armada espanhola. Os demais foram o Forte de Montedor em Carreço, e os fortes do Cão e de Lagarteira em Vila Praia de Âncora. Estes somavam-se ao Forte da Ínsua, construído durante aquele conflito para defesa da barra sul do rio Minho.

Nessa linha, à época, foram remodeladas fortificações já existentes como o Castelo de Valença, o Castelo de Vila Nova de Cerveira e o Forte de Santiago da Barra. Para complemento da defesa da margem esquerda (sul) do rio Minho foi erguido o Forte de São Francisco de Lovelhe (ou de Lobelhe), em Vila Nova de Cerveira.

Terá sido concluído em 1701.

info: pt.wikipedia.org/wiki/Forte_da_Areosa

Pelourinho de Castelo Mendo on Flickr.

CASTELO MENDO (Portugal): Pelourinho.

vmribeiro.net

A aldeia de Castelo Mendo recebeu a sua primeira carta de foral em 1186, outorgada por D. Sancho I, quando o monarca ordenou a reedificação do seu castelo, um importante ponto na linha de defesa das fronteiras nacionais na Idade Média. Na centúria seguinte, quando em 1239 D. Sancho II mandou ampliar as muralhas, era concedido novo foral à vila. Em 1281 D. Dinis outorgava carta de feira à vila - sendo esta provavelmente a primeira feira existente em Portugal -, e o concelho recebia novo foral em 1295.

Em 1510, durante as Reformas Manuelinas da administração local, o foral de Castelo Mendo foi renovado e o seu pelourinho terá sido edificado nessa época, sendo já representado nos desenhos de Duarte de Armas, realizados cerca de 1519. O concelho de Castelo Mendo seria extinto em 1855.

Classificado como pelourinho de gaiola, o pelourinho de Castelo Mendo assenta numa plataforma de seis degraus octogonais, sobre a qual assenta coluna de fuste octogonal, com base decorada por folhas estilizadas. O capitel, de secção circular em forma de cone invertido, funciona como base da gaiola, e possui anéis decorados por diversos motivos, nomeadamente correntes, cabos, denteados invertidos e florões. O conjunto da gaiola é composto por chapéu, assente em colunelo torso, decorado por pérolas. O colunelo central é circundado por seis colunelos torsos e anelados, sustentados por grampos de ferro. Como remate da gaiola foi colocado chapéu cónico, decorado por cordame na zona inferior. É encimado por cone, de menores dimensões, coroado por catavento em forma de bandeirola bipartida.

Catarina Oliveira

info: www.igespar.pt/en/patrimonio/pesquisa/geral/patrimonioimo…

To Tumblr, Love Pixel Union